Poesia

A Poesia alcança as fadas, encanta a chuva na madrugada, acompanha os ébrios nos dormentes e se mistura à solidão nas calçadas.

12 de julho de 2017

Cotidiano

Imagem da Internet




Perto da minha casa,
Aqui no bairro,
Tem um comércio bom!
Tem farmácia, tem padaria,
Lotérica e um mercadinho.
Mas se tem uma lojinha
Que me encanta
é o tal do armarinho;
Nem tão grande , nem pequeno
Do tamanho de um ninho,
Pois lá cabem sonhos
para sonhar bem miudinho;
Lantejoulas, lãs e linhas
Fitas, carretéis,
Lápis preto e coloridos
Uma grandeza em papéis
Tintas , pincéis e telas
Material escolar
Apontador, borracha, cartões
Bonecas de pano e bisqui,
Tesoura, alicate, pinça
Agulhas, e botões.
Bijuteria barata,
Banhada com cara de festa,
Plásticos a mil
Agendas,  carretilhas ,caixinhas
Bateria pro celular
Etc.
Coisinhas para o Natal
Dia das mães e São João
Fantasias para o carnaval
Um mundo de trecos
Para o artesão;
E a se precisar
Trocar  o botão do jeans...
É assim.
Um tudo de tudo, tem!
Se você pensou em alguma coisa
Pode contar,  tem também
Um estande na entrada,
 Mesa guarnecida,
 Louça de porcelana  branca
 Te convidam para um café.
Mas não pense que  é de graça,
A Dona esperta é,,
Se comprar alguma coisa
E mostrar o comprovante
Logo te servirão
um café espumante.
Vai açúcar ou adoçante?
Queijos   presunto  e mortadela.
Tudo pra chamar  clientela,
 Sequilhos de polvilho
Com recheio de goiabada.
Tem  tapioca quentinha,
Mas o dono da padaria
Não está gostando de nada.
 Ah!! Se eu ganhasse um milhão,
Faria uma proposta
E compraria
O Armarinho da Conçeição.

 Lourdinha Vilela


 











19 de junho de 2017

Sol de inverno. Chegando




O sol e eu


O Sol
Astro Rei-na no meu coração.
Enamorado da lua, ofusca-me
 na contraluz do
 seu raiar
Ainda assim,  
o sigo
 a buscar  sob densa névoa,
quando de mim se esconde
 e reaparece,  aqui e acolá.
Não vê que espero no seu abraço,
 aquecer-me do frio intenso
 e penso... no sol do meio dia,
 cascata de orvalho
nas folhas, que decidiram ficar
agarradas aos galhos,
do outono a zombar.
A tardinha porém,
 irei encontrar,
um sol soberano
ainda a  brilhar.
 No horizonte
tons de rosa e lilás.
Dourados nos meus cabelos,
que levo comigo 
até a noite chegar.
Ciúmes da lua
tímida no céu
a nos espiar.
Lourdinha Vilela






30 de maio de 2017

Na paz da poesia

Imagem da Internet.

Reeditando



Ando encontrando espaços dentro de mim.
Estão lá guardando coisas, memórias e sonhos.
-Uma guerreira  encarando frente a frente
traumas adolescentes.
No  campo minado quer explodir agora.
Explosão do que feriu. Meu coração Escarlate.
-Há bálsamos com grande poder de cura
Um  declinar de sol se despedindo, vibrante porém,
aquecendo ainda. É o meu olhar maduro.
E misturando tudo...
-Suspiros  em sinfonia inspirando um norte  de essências,
prelúdio da doce inocência.
-Sou eu vestida de branco. Na paz da poesia.
Se pareço criança, que eu seja então sempre criança.
E que me embale os braços das ilusões.

Lourdinha Vilela

13 de maio de 2017







Coisas para te dizer 


  MÃE


Imagem da Internet.,

Sabe mãe!


A sua voz agora rouca,
muitas vezes baixinha
E mesmo assim,
ainda é, como o declínio do sol,
Um ocaso de infinita beleza 
pois soa tão forte e brilha  dentro de mim...
E eu quero mãe, 
sempre te ouvir,
para aprender de você
 coisas
que um milhão de mundos
não saberiam me dizer

Lourdinha Vilela. 

5 de maio de 2017



Ameaça



"Guarda meu canto em teu coração,
O meu encanto em tua alma,
Ou  faça  parar os  dias,
As horas
Desacelere a ganância do   mundo
Antes que nem mesmo
 As minhas asas
possam me salvar."

Lourdinha Vilela