Poesia

A Poesia alcança as fadas, encanta a chuva na madrugada, acompanha os ébrios nos dormentes e se mistura à solidão nas calçadas.

15 de fevereiro de 2017



CONTRADIÇÃO
Lourdinha Vilela

Para que não mais, sejam mutiladas,
Para que não chorem a própria seiva
a derramar,
Para que não sejam rebaixadas
à superfície do solo,
Para que ainda abriguem pássaros
e os sonhos de brincar,
Para que dancem  altivas,
mesmo que serenas,  ao toque do vento,
é que me  ponho  no altar e rezo
Genuflexa,
sobre a fração nobre, moldada e estendida
de um jacarandá







JACARANDÁ
Árvore de porte médio, que atinge cerca de 15 metros. De copa rala, arredondada a irregular, folhagem delicada, é uma árvore decídua a semi-decídua. Seu caule, 30 a 40 cm de diâmetro, é um pouco retorcido, com casca clara e lisa quando jovem, que gradativamente vai se tornando áspera e escura com a idade. Suas folhas, que medem 40 cm de comprimento, são opostas e bipinadas, compostas por 25 a 30 pares de pequenos folíolos ovais delicados, de coloração verde-clara acinzentada, e se concentram na extremidade dos ramos. No inverno, o jacarandá-mimoso perde suas folhas, que dão lugar às flores na primavera. Suas flores são duráveis, perfumadas e grandes, de coloração azul ou arroxeada, em forma de trompete e arranjadas em inflorescências do tipo panícula. A floração se estende por toda a primavera e início do verão. Os frutos surgem no outono, são lenhosos, deiscentes e contém numerosas e pequenas sementes. O fruto é cápsula lenhosa, muito dura, oval, achatada, com numerosas sementes.

Nativa da Argentina, Peru e Sul do Brasil.
Espécie pioneira, ocorre nos estados de São Paulo e Minas Gerais, nas formações florestais do Complexo Atlântico, como nos brejos de  altitude do Nordeste do país . Pode ocorrer também em formações de cerrado, também na região Nordeste.
Fonte Wikipédia




6 comentários:

  1. oi,Lourdinha...assim como nós ás árvores precisam de sua vida por inteiro .
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Fico sempre tão triste quando vejo árvores cortadas.
    Adoro os jacarandás as suas flores são tão lindas.
    Magnifico post
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Muito belo e sensível o teu poema, Lourdinha, sobre o jacarandá abatido...
    Também gostei das informações que publicas aqui.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Lurdinha seu poema é encantador e nos mostra o quanto temos que amar a nossa natureza.
    Amei todas as suas informações.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Lurdinha,
    Que bom ter noticias suas.
    Um belo poema que fala da dor que sentimos aquando do abate das árvores.
    Eu sofro imenso.
    O jacarandá é lindo e gostei de saber pormenores sobre esta tão maravilhosa e perfumada árvore.
    Um beijinho,
    Ailime

    ResponderExcluir
  6. O amor
    ele chega feito poesia e permanece.
    Em cada origem da Natureza ele é especial.
    O poema é lindo! A casa aconchegante.

    Beijinho

    ResponderExcluir