Poesia

A Poesia alcança as fadas, encanta a chuva na madrugada, acompanha os ébrios nos dormentes e se mistura à solidão nas calçadas.

27 de novembro de 2012

POEMA AO ACASO



Imagino ao acaso
um poema.


São tantas cenas...
Pessoas na rua.
Nosso bom dia,
nosso descaso.
Tantos detalhes,
tudo influindo
 positivamente ou não.
Olhares,
 sorrisos.

Hoje aqui estou,
encostada ao pé de amoras
de dentro do meu quintal,
olhando a  mesma rua
hora vestida de gente,
hora nua.

Vejo um menino
batendo de porta em porta.
Mendigando estava,
porém, ninguém o recebeu.
Sentou-se na calçada
E seu olhar entristeceu.
Vejo um velho, quase sem os seus cabelos
 buscando um pouco de sol.
Um rapaz lavando  seu carro
-táxi.
Uma flor,
Dente - de –Leão
.
Janelas velhas, janelas novas.

Meu olhar e a poesia
 rua afora.
Mas é dia,
busco concentração.
Faço e desfaço versos.
Desisto então.

Cai a noite.
Ela,
é como um canteiro.
se acaso quero
um poema  criar,
e chega bem escura
é hora de semear.
Quando todos dormem
pareço despertar.
Vem a lembrança...
O rapaz do táxi,
poderia estar
recebendo um telefonema,
alguém pedindo urgência,
alguém precisando,
seu táxi usar,
e uma barriga imensa,
querendo se esvaziar.
O moço deixou seu trabalho,
para outro trabalho enfrentar
metade do carro,
ainda  por lavar.
Metade limpo, metade sujo,
assim como  no parto se fazia,
metade alegria
metade dor
E por causa da correria,
a mangueira ligada ficou.
Para o menino pedinte;
A festinha!
Ladeira abaixo, a água descia.
graminhas entre os meios-fios,
com toda certeza ,
agradeciam.
E o menino sapateando o sol
que a água refletia.

Uma rajada de vento,
 levou a flor...
Centenas de pétalas minúsculas
para a cabeça do avô,
que nem sequer percebeu ,
que mais fios ganhou.

E eu encostada à árvore,
por acaso a me encantar...

 A noite escura

agora,

começava

a clarear

por :Lourdinha Vilela


18 comentários:

  1. Hoje, só rapidinho pra agradecer o carinho por lá! beijos,obrigadão! chica

    ResponderExcluir
  2. Amiga, o acaso rende belos poemas p quem tem olhar apurado como vc, tive saudades do pé de amoras da minha avó, ai que delicia! Parabéns! Bjooosss

    ResponderExcluir
  3. Deliciosamente poético esse seu olhar Lourdinha.As imagens foram vindo e construindo belas cenas do cotidiano. Bjssss

    ResponderExcluir
  4. Muito linda a maneira como de um cenário do cotidiano, você desenhou esse belo poema. Parabéns de todo o meu coração. Lindo o seu blog... Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  5. A poesia está na vida e basta que olhemos seus movimentos. Cada instante é um verso, a brotar nas almas sensíveis. Belo! Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Excelente! Disse tudo e muito bem dito! Gostei da tua escrita, Lourdinha!

    []s

    ResponderExcluir

  7. Olá Lourdinha,

    Para o espírito poético, todo detalhe vira poesia.
    E, por acaso, seu poema ficou lindamente traçado. Adorei esta parte:
    "Uma rajada de vento,
    levou a flor...
    Centenas de pétalas minúsculas
    para a cabeça do avô,
    que nem sequer percebeu ,
    que mais fios ganhou.

    Bonita inspiração.

    Beijo.


    ResponderExcluir
  8. Lourdinha,eu adorei a sua poesia!Ao acaso parece que fica melhor ainda!Bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  9. Querida, um acaso precioso e poético. Assim ficamos muitas vezes diante do movimento da vida e da beleza da natureza.Encantei-me com teu olhar.
    Obrigada linda amiga pelo carinho que tivestes comigo.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  10. Querida Lourdinha, quantas cenas passam pelos nossos olhos, pela nossa alma... O bom é que estamos recebendo e registrando isso tudo, com o coração transbordante de poesia. Você absorveu bem esses sentimentos. Um beijo!!!

    ResponderExcluir
  11. Não posso deixar de dizer o quanto suas poesias me fazem viajar para outros planos. Hoje justamente estava pensando sobre o acaso, os tantos quantos caminhos poderíamos seguir se não fosse pelos que nós cruzamos antes.
    Grande beijo

    ResponderExcluir
  12. Voltei com a calma que esse texto merece!

    Confesso senti-me juntinho contigo encostada na árvore, vendo tudo acontecer e passar. Mágica viagem!Um encanto!!!

    beijos,lindo DEZEMBRO, chica

    ResponderExcluir
  13. Gostei da oportunidade que me deu indo e fazendo-me vir aqui,
    um blog onde as palavras se transformam em poesia é sempre muito bem-vindo,
    abraços

    ResponderExcluir
  14. Usando cenas reais, você sabiamente teceu um lindo poema aflorando teus sentimentos que mostrou ser tão sensíveis!
    Eu amei! Vi cada cena passando na minha mente como se fosse um filme cujo escritor usa as palavras tiradas do coração, e da natureza cotidiana.
    Deixo um lindo domingo pra você.
    Um beijo e desejo de um feliz e santo natal!
    Sua amiga
    Ivany

    ResponderExcluir
  15. Assim nasce a poesia, da alma do poeta, que tudo espreita!
    Obrigada pela visita, vim espreitar o seu cantinho e saio daqui verdadeiramente encantada!

    Também te sigo com muito prazer :)
    Bom final de semana
    Beijos
    Sónia

    ResponderExcluir
  16. Inventei a ironia numa toada de vento
    Roubei as asas a uma gaivota azul
    Colei-lhes um poema cheio de penas
    E enviei-o para uma tonta do sul

    Inventei um mar numa bola de sabão
    Roubei uma corda forte e boa
    Atei um rol de mágoa à mesma
    E afoguei-as nas águas de uma lagoa

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  17. Lourdinha, minha querida, que poema é esse! Perfeito.

    Uma história singela e tão bela contada em versos de um poema maravilhoso.

    Adorei!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Oi, Lourdinha, assim é a vida, simples. Muito bonito, vais contado o cotidiano e "metade alegria, metade dor". Não há outra verdade, é só saber que depois do sol vem a chuva; depois o sol reaparece.

    beijo grande, amiga!

    ResponderExcluir