Poesia

A Poesia alcança as fadas, encanta a chuva na madrugada, acompanha os ébrios nos dormentes e se mistura à solidão nas calçadas.

11 de setembro de 2011

LÁGRIMA


A minha lágrima...
rio dentro da alma
que aprisionada quer se soltar
e se exprime gota a gota,
no vermelho do meu olhar,
tem   gosto de chama
da chama do amor
que muitas vezes,
arde e fere até sangrar.
A minha lágrima...
Tem  gosto  de vento
o vento do adeus,
do amor que se vai
prá não voltar.
A minha lágrima...
Tem gosto de néctar
O néctar das flores
As flores que chegam
Pedindo prá perdoar.
A minha  lágrima...
rio dentro da alma
que aprisionada quer se soltar...
prá celebrar nossos sorrisos
 mistura-se agora,
 as  lágrimas contritas
no vermelho do seu olhar.




Lourdinha Vilela

2 comentários:

  1. Oi Lourdinha, tudo bem?
    tenho lido todos os teus poemas, teu blog está cada dia mais interessante.Admiro quem tem facilidade para escrever. um abraço da amiga Selioni.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por escrever com o coração e nos emocionar.

    Ótima tarde!

    Bjs

    ResponderExcluir