Poesia

A Poesia alcança as fadas, encanta a chuva na madrugada, acompanha os ébrios nos dormentes e se mistura à solidão nas calçadas.

9 de março de 2011

Mulher




Já é dia.
Com as pontas dos dedos
Ela desembaça a vidraça
Orvalho da noite fria.
Sorri quando vê violetas,margaridas
Corre, pro espelho,
Escova o cabelo
Recomeça a lida.
As vezes com beijos
As vezes sem.
Depois de servir o café
Se despede dos filhos
De seu amor também
E essa é apenas uma face
de seus inúmeros papéis,
As vezes se encontra´,
Sem filhos, sem amor
Sem ninguem.
No transito, apressada pra chegar ao trabalho
Nas fillas dos bancos, dos supermercados.
Ninfa, deusa ,sereia
Procura o batom
Jamais quer se sentir feia
O desafio: está por um fio
Antes do ônibus passar
Só falta chover, pra escova dançar
Olhos, caras e bocas
As vezes santa
As vezes louca
Se veste de médica
Professora,
cientista, enfermeira
Arquiteta, dona de  casa ou policial
Sentada à mesa
Encara a salada
Tudo normal.
E se acaso, essa mulher você encontrar
Doce, amiga, dedicada
Leoa,bruxa,cinderela
Sejas feliz ou infeliz!
Mas não fique sem ela.

Lourdinha Vilela 

4 comentários:

  1. Nossa Não Seii Neim oque dizer você e Super criativa Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Oi Dinha, adorei sua criação, acho que fica legal intercalar sempre um video musical entre as poesias, beijos,,,,,, !!!!!

    ResponderExcluir
  3. oi Lurdinha ,obrigada pela visita no blog.FAZ Os seus croche e coloca as fotos no blog.bjs

    ResponderExcluir